• Capa do Vol. I/Nº 1 da Revista Eletrónica Kulongesa – TES Edição Inaugural
    v. 1 n. 1 (2019)

    EDITORIAL

    “Kulongesa”.

    É o resultado de uma iniciativa idealizada no âmbito do dever de ensinar, de aprender e de compartilhar o conhecimento. “Kulongesa” é uma expressão da língua cokwe cuja significação não se restringe apenas à tradução literal “ensinar” da língua portuguesa, já que o seu alcance conforma quer do ponto de vista etimológico quer do ponto de vista do seu actual revestimento semântico o sentido de aprender, de informar algo novo, de partilhar novas experiências e novos conceitos. Isso, é algo que se enquadra perfeitamente na missão da Universidade, perante a sociedade local e global.

    PhD. Engº Benedito Paulo Manuel

    Professor Associado da Escola Superior Politécnica da Lunda Sul

    Director Geral da Sociedade Mineira do Catoca

  • Capa do Vol. II/Nº 1 da Revista Eletrónica Kulongesa – TES Ciência e Tecnologia ao Serviço da Sociedade
    v. 2 n. 1 (2020)

    "Mwana Pwo"

    A máscara Mwana Pwo é uma das máscaras Angolanas mais conhecidas e celebradas, tanto no contexto Africano quanto internacional. Mwana em Tchokwe significa filho ou filha enquanto Pwo significa mulher. As marcas na testa conhecidas como Chingelengele representam a eternidade, enquanto os traços lineares que correm sob os olhos são conhecidos como masoji (lágrimas). Segundo os anciãos locais, as marcas nas bochechas e os dentes pontudos eram usadas como marcas de beleza da mesma maneira que as mulheres modernas usam maquiagem. Enquanto alguns membros da cultura argumentam que a máscara Mwana Pwo representa fertilidade através das jovens que passaram por iniciação feminina e estão prontas para o casamento, outras afirmam que a máscara representa e celebra a beleza das mulheres Tchokwe. A máscara é usada por homens que dançam, falam e imitam mulheres durante as cerimónias tradicionais. Supostamente, isso é feito para celebrar as figuras maternas na vida dos homens, as mulheres que desempenham um papel significativo em seu crescimento e bem-estar. A verdadeira essência da máscara é um segredo bem guardado e não é divulgado nem mesmo a homens que não são circuncisados conhecidos como Chilima. Através da máscara, honramos as mulheres que representam o núcleo de nossas culturas, celebramos sua eternidade e beleza, lembrando constantemente de suas dores e sofrimentos.

    Lic. María Malomalo
    Professora da Escola Superior Politécnica da Lunda Sul
    Presidenta da Associação Mwana Pwo

  • Capa do Vol. II/Nº 2 da Revista Eletrónica Kulongesa – TES Tecnologia e Desenvolvimento
    v. 2 n. 2 (2020)

    "Sona"

    Sona (plural de lusona), termo que serve para designar a escrita em geral (letras, figuras e desenhos), são a combinação de pontos e traços feitos na areia. Trata-se de uma cultura dos Cokwe e de povos relacionados como os Luchazi e Ngangela, que vivem no leste de Angola e em zonas vizinhas, na Zâmbia e na República Democrática do Congo. Os sona são uma forma de manifestação cultural com grande valor para a Matemática Pura, Aplicada e para a Educação como consequência do rigor com que esta escrita é feita. O seu conhecimento tem passado de geração em geração pela via oral, o que tem contribuído para a redução significativa dos conhecedores desta arte. O assunto sona passou a constar da agenda pública da comunidade, que reconhece a sua associação à Matemática. Para os alunos do Ensino Secundário, conceitos matemáticos associados aos sona saíram do abstracto para o concreto através da sua explicitação em aspectos sócio-culturais.

    PhD. Jorge Dias Veloso
    Professor Auxiliar da Universidade Lueji A’Nkonde
    Decano da Escola Superior Pedagógica da Lunda Norte